Popterapia para corações partidos

Pé na bunda, o trauma inevitável. A situação desagradável pelo qual todo mundo passa, uns com uma freqüência maior que outros. Sobreviver a tamanha frustração é o caminho natural da vida. Superá-la com alguma rapidez é uma arte. E passar por ela sem uma cicatriz sequer é um dom para poucos iluminados. 

Seja qual for o exemplo, as separações têm presença perpétua na música pop. São mórbidas inspirações para os compositores, esses portadores de almas miseráveis. As batidas de um coração partido encontram a combinação perfeita nos acordes menores de uma lânguida canção sobre um fora. De Elvis a Franz Ferdinand, de Lennon a Billy Corgan, dos Carpenters aos Cardigans. Todos já destilaram mágoas, veneno, orgulho ou qualquer outro sentimento típico de quem foi deixado. 

Como nem todo mundo tem talento para compor e a música pop geralmente fala por nós, é inevitável que as pessoas que foram chutadas se identifiquem com determinadas canções em cada um dos estágios da fossa pós-término. Mas se engana quem pensa que essas músicas só servem para nos deixar ainda piores. Elas podem, sim, ajudar no processo de cura. Basta saber o que ouvir e quando ouvir. 

E é por isso que resolvi dar uma de psicólogo musical de mesa de boteco e elaborar uma espécie de guia-roteiro-prescrição de canções sobre separações com os respectivos momentos certos para ouvi-las, com dosagens e contra-indicações. Saúde!  

Estágio 1 – O baque inicial 

Descrição: você não aceita o fora. Como é que pode? Uma semana atrás fizemos juras de amor eterno e agora ela(e) diz que eu não sou mais o(a) mesmo(a) do início do namoro? Aos poucos, o inconformismo se transforma em dor, desespero, angústia. Você não dorme direito, passa o dia pensando nisso, o trabalho torna-se cada vez mais improdutivo. 

Receita: “Last Goodbye”, de Jeff Buckley. É uma canção triste, com título auto-explicativo e versos iniciais bem claros. “Este é o nosso último adeus / odeio sentir que nosso amor morreu / mas ele acabou”. Há ainda um pouco de gratidão, apesar de tudo, provavelmente com o objetivo de fazer uma chantagem emocional. “Você me deu motivos para viver / mais do que você possa imaginar”. Buckley te faz implorar pelo resgate deste amor. “Por favor me beije / mas me beije com desejo e não como uma consolação”. 

Dosagem: três vezes por dia. Mas tente não ligar para ela(e) toda vez que escutar essa música.  

Estágio 2 – O fundo da fossa  

Descrição: você percebe que não há mais volta. A sua existência perde o sentido. Não é preciso ser muito emotivo para derramar lágrimas à toa. Há quem pense em largar tudo, em se matar. É fase. Não tome decisões difíceis neste estágio. 

Receita: “Superstar”, dos Carpenters. Tristeza em fá menor. Melancolia em escala descendente. E uma dor latente em versos como “você não lembra que disse que me amava?”, “o que dizer para ter você de volta novamente?” ou “volte pra mim de novo e toque sua guitarra triste”. 

Dosagem: uma vez por dia. “Superstar” é tarja preta fortíssima. E mais – essa fase tem que ser a menos demorada.  

Estágio 3 – O recalque 

Descrição: a sua ou o seu ex está de companhia nova. Você passa noites em claro se comparando a esse outro alguém. Se é parecido com você, é porque no fundo ela(e) ainda te ama. Se é diferente, é porque ela(e) é uma imbecil de te-lo(a) trocado por coisa pior. Seja qual for a situação, o seu(sua) substituto(a) é um serzinho ultrajante, degradante e repulsivo. Por mais que não o seja. Mas é aí que começa o processo de cura, porque o sentimento de “eu sou mais eu” é o primeiro passo do resgate da auto-estima. 

Receita: para os homens, “Bad Cover Version”, do Pulp. Deboche em último grau. Como diz o título da canção, seu substituto é um cover ruim de você. “Quanta decepção quando você o levou pra casa / como era bom o original, aquele que você não tem mais”. Para as mulheres, “You Oughta Know”, da Alanis Morrisette. Ironia (“eu não desejo nada além do melhor pra vocês dois”) e agressividade (“ela é pervertida como eu?” ou “você tem pensado em mim quando transa com ela?”). 

Dosagem: ilimitada. Essa é uma das raivinhas mais saudáveis que existem. Quando você recuperar o bom humor, pode passar para “Got To Get You Off My Mind”, de Solomon Burke (que pode fazer parte de um rápido Estágio 4). A melodia já é mais alegre e a letra um pouco mais otimista (“Tenho que tirar você da cabeça / sei que é só uma questão de tempo”) e brincalhona (“se tivéssemos ficado juntos até junho / sem problema, seríamos noiva e noivo”). 

Estágio 5 – A resistência ao arrependimento da(o) ex 

Descrição: sua(seu) ex resolveu que quer voltar pra você. Percebeu que fez uma grande burrada ao te trocar e agora implora pelo seu perdão. Mas agora quem não quer é você, por mais que ainda se sinta ligeiramente balançado pela mudança de idéia. A solteirice já começa a lhe parecer agradável e você tem certeza de que ceder aos apelos é uma opção completamente equivocada. Mas se você está num estágio entre o 1 e o 4, saiba que nem todos os casos passam pela etapa 5. Então não conte como certo que ela(e) vai se arrepender. 

Receita: “Out Of Time”, dos Rolling Stones. Uma das mais venenosas letras de Jagger e Richards, herda um pouco do rancor do estágio 3, mas direcionado em outro foco. “Você pensou que era uma menina esperta / (…) mas não pode voltar e ser a primeira da fila / Você está obsoleta, minha querida / pobre e fora de moda”. Em um grau mais avançado, esse ressentimento pode virar ódio. E aí entra “I Am The Resurrection”, dos Stone Roses. Cada verso é um soco no estômago. “Não poderia agüentar nem mais um segundo na sua companhia” ou “não desperdice suas palavras, não preciso de nada vindo de você / não me importa por onde você andou ou o que planeja fazer”. 

Dosagem: deguste as canções e cante-as em plenos pulmões toda vez que ela(e) te procurar.   

Estágio 6 – A cura absoluta 

Descrição: se você passou com sucesso pelo complicado estágio 5, seu orgulho e sua auto-estima estão definitivamente cicatrizados. Você conseguiu transformar os traumas em aprendizados, desintoxicar o seu coração do rancor natural e, definitivamente, voltar a estar pronto(a) para outra. Mas o que você quer, na verdade, é curtir a liberdade. 

Receita: “I´m Free”, dos Rolling Stones. Jagger e Richards reaparecem na terapia para te estimular a correr pro abraço. “Estou livre pra fazer o que quiser, a qualquer hora / Estou livre pra cantar minha canção, mesmo sabendo que está fora de moda”.  

Dosagem: também sem limites. Só termine de degustar “I´m Free” quando encontrar alguém a quem você acha que pode dedicar “Tunnel Of Love”, de Bruce Springsteen ou “Come Fly With Me”, de Frank Sinatra.

Anúncios

11 pensamentos sobre “Popterapia para corações partidos

  1. Ahh, concordo com os estágios… Só acho que o 5º é algo inexistente. Nunca presenciei uma coisa dessas acontecer, mas, sei lá, vai ver foi só azar (ou não!) =P
    Perfeito seria se passássemos logo pro sexto estágio e déssemos fim a esse drama que, no final, torna-se desnecessário.

  2. Texto bom, fiel à categoria do autor. No entanto, há canções do rock nacional que poderiam funcionar melhor em cada um dos momentos descritos. Nem por isso o repertório perde o brilho. Parabéns.

  3. (…)Go on now go walk out the door
    just turn around now
    ‘cause you’re not welcome anymore
    weren’t you the one who tried to hurt me with goodbye
    you think I’d crumble
    you think I’d lay down and die
    Oh no, not I
    I will survive
    as long as i know how to love
    I know I will stay alive
    I’ve got all my life to live
    I’ve got all my love to give
    and I’ll survive
    I will survive…

  4. Texto perfeito, apesar de eu desconhecer muitas músicas e de ainda achar que “The winner takes it all” é o máximo de fossa que eu posso cantar…
    Beijos

  5. estágio 7 – o escroto*

    i don’t wanna walk around with you
    i don’t wanna walk around with you
    i don’t wanna walk around with you
    so why you wanna walk around with me?

    (*uma adaptação para relacionamentos amorosos)

  6. Pingback: Finding my way home… « Too Late

  7. perfeito..
    estou no estágio 3
    até há 2 semanas atrás eu escutava You Oughta Know o dia enteiro..xD
    vou por o link do seu blog no meu..xD

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s