Top 5 – grandes coadjuvantes dos seriados de TV

Dr. Leo Spaceman (30 Rock)

Médicos são habitués em seriados de TV desde os anos 60, passando pelo sucesso cult de MASH, pelo multipremiado ER e até pelo brasileiro Mulher. Mas dificilmente um roteirista, por mais maluco que seja, criou um personagem tão pouco ortodoxo ao usar um jaleco branco quanto Leo Spaceman, de 30 Rock. Interpretado por Chris Parnell, o dr. Spaceman é fumante, antiético, adepto de métodos nada confiáveis e não parece bater bem da cabeça. Um completo lunático, como bem define o seu sobrenome (que, aliás, se pronuncia spaTCHÊman). Mesmo assim, ele é o médico de confiança de Jack Donaghy (diretor da NBC interpretado por Alec Baldwin) e de Tracy Jordan (astro cômico do canal interpretado por Tracy Morgan). Spaceman se diz formado pela Escola de Medicina de Ho Chi Minh e especialista em fertilidade, psicologia infantil e até na recuperação de viciados em metadona. Além disso, é dono de teorias como a que afirma que humanos precisam de sangue animal para manter a coluna reta. Talvez seja o personagem secundário mais frequente nos episódios de 30 Rock. Spaceman é chamado para solucionar problemas relacionados a ganho de peso, sono e suspeita de diabetes. Quando o presidente da General Electric, Don Geiss, precisa de atendimento depois de um desmaio, o médico injeta um placebo porque pensa que o paciente está fazendo um charminho desacordado. O humor involuntário e lesado deixa no chinelo as rabugices do dr. House, o jeitinho politicamente correto de Jack Shephard (de Lost) e o estilo bom vivant de Hank Lawson (Royal Pains). Mas talvez o grande trunfo de Spaceman seja o fato de ele aparecer apenas ocasionalmente em 30 Rock. Se fosse um personagem mais recorrente ou se fosse protagonista de um seriado, talvez cansasse um pouco.

Este vídeo reúne alguns dos melhores momentos de Leo Spaceman em 30 Rock:

Desmond Hume (Lost)

Uma mistura de Robinson Crusoé com um personagem qualquer de Nick Hornby. É um cidadão que nunca se achou grande coisa na vida, coleciona desventuras na vida amorosa e, de repente, se torna um habitante solitário em uma ilha no Pacífico. Desmond abandonou a noiva no altar, entrou para um monastério mas foi expulso por causa do alcoolismo, terminou outro relacionamento porque achava que a namorada merecia alguém melhor, entrou para o exército escocês mas foi preso e expulso. E ainda sucumbiu à pressão do ex-sogro, que queria separar Desmond da filha. Para provar a si mesmo que não era tão perdedor assim, o personagem de Henry Ian Cusick arruma um barco para participar de uma regata, mas acaba naufragando na misteriosa ilha de Lost. Ali, ele é recrutado para ficar numa escotilha com uma missão: digitar um código em um velho computador a cada 108 minutos, sem saber exatamente para quê. No dia em que ele deixa de apertar os botões, acontece o acidente aéreo que traz os protagonistas do seriado para a ilha. A partir da segunda temporada, Desmond passa a conviver com os sobreviventes do voo Oceanic 815 e demonstra algumas qualidades que o tornam um dos grandes personagens de Lost. É um homem de fé, que acredita cegamente na necessidade de digitar os códigos, mesmo sem ter noção do que aquilo significa. É um homem que procurar refletir e aprender com seus conflitos, apesar de ter muita dificuldade para solucioná-los. E é, acima de tudo, um homem apaixonado, que não desiste de encontrar sua amada Penny mesmo perdido no meio do nada.

Esta cena é de “The Constant”, que para muitos é o melhor episódio de todas as temporadas de Lost. Desmond, que está desorientado enquanto sua mente viaja entre o passado e o presente, precisa de algo para se apegar nas duas referências temporais. E consegue, do meio do oceano pacífico, falar com Penny. Emocionante.

Andy Brennan (Twin Peaks)

Há um certo carisma na estupidez. Não falo da estupidez no sentido de grosseria, mas naquela mistura de burrice, ingenuidade e alegria vazia que marcou personagens como Andy Brennan, de Twin Peaks. Interpretado por Harry Goaz, Brennan era um policial atrapalhado, desengonçado, medroso e chorão. Quase nunca consegue cumprir suas missões e só continua na polícia porque é muito querido pelos colegas e porque em Twin Peaks não acontece nada de mais – ou pelo menos não acontecia até a morte de Laura Palmer. Andy tem uma história de amor mal resolvida com Lucy, secretária da delegacia de Twin Peaks e uma pessoa tão estúpida quanto ele. Os desencontros do romance dos dois são alguns dos pontos mais engraçados da série criada por David Lynch e Mark Frost.

Uma das cenas mais impagáveis protagonizadas por Andy Brennan é quando a equipe de policiais locais e os agentes do FBI transferidos para Twin Peaks vão até a casa de Leo Johnson, um dos suspeitos de envolvimento no assassinato de Laura Palmer. Depois de uma trapalhada digna de comédias pastelão, Andy ajuda a encontrar pistas importantes.

Vince Masuka (Dexter)

Dexter é um seriado de coadjuvantes muito fracos. Talvez por serem engolidos pela complexidade do protagonista, um serial killer cheio de conflitos existenciais que tenta levar a vida do jeito mais normal dentro do que ele consegue fingir. Mas entre os personagens secundários, apenas um se destaca um pouco mais: o perito forense Vince Masuka, interpretado por C.S. Lee. Masuka é visto pelos colegas da polícia de Miami como um pervertido de marca maior. Não que ele não goste disso, já que ele sempre tem uma piada sexista na ponta da língua ou um convite para uma noitada num clube de strippers. Sempre nos momentos mais inconvenientes. Mas, no fundo, Masuka é um cara solitário, já que o comportamento de adolescente tardio afasta mais as pessoas do que as atrai. Dexter acaba adotando Masuka como o melhor amigo no trabalho, um pouco por solidariedade e um pouco por identificação, já que ambos levam vidas diferentes do que gostariam. Dexter é um sociopata que precisa dissimular um convívio ordinário com as pessoas. Masuka é uma pessoa carente, que tenta chamar a atenção sendo o engraçadinho da turma, mas não consegue ser bem sucedido.

Neste vídeo, estão alguns dos momentos mais marcantes de Vince Masuka em Dexter.

Raj Koothrapali (The Big Bang Theory)

A condição de étnico engraçadinho, porém rejeitado, não se aplica apenas ao Masuka de Dexter, mas também ao indiano Raj, interpretado por Kunal Nayar em The Big Bang Theory. Ele é um astrofísico que deixou Nova Délhi para estudar e trabalhar na Califórnia. Tem uma peculiaridade esquisitíssima: não consegue falar uma palavrinha sequer com mulheres, a não ser que esteja bêbado. Apesar deste problema de sociabilidade, não age como o misógino Sheldon e sempre está à procura de uma namorada. É o melhor amigo de Howard Wolowitz, com quem tem um relacionamento que geralmente é confundido com um homoafetivo, algo que já foi insinuado até mesmo pelos pais do próprio Raj, com quem o indiano conversa sempre via webcam. Assim como os outros nerds protagonistas do seriado, é viciado em games e isso já rendeu algumas cenas hilárias, como a canja musical no “Rock Band”: “Under The Bridge”, dos Red Hot Chili Peppers.

O vídeo abaixo traz uma cena em que Raj, já com umas e outras na cabeça, consegue falar pela primeira vez com Penny, a quem resolve abrir o coração sobre os conflitos familiares.

Seu personagem secundário favorito não tá na lista? Os comentários são serventia da casa…

Anúncios
Postado em TV

2 pensamentos sobre “Top 5 – grandes coadjuvantes dos seriados de TV

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s